quarta-feira, 26 de julho de 2017

Como Fénix

Obra de Tomasz Alen Kopera

Sossego-me de vida em gesto lento,
apascentando colos de verde alimento.
Há corpos cansados em varandas de espera,
tardinhas secas, dessecadas, moribundas,
Já nada resta do que foi uma praça.

Despega-se a saudade do seu sentido.
É ao vazio que se cantam loas
de silêncio, de olhar mudo, de boca caída,
na apatia de escombros adormecidos.

Pelas ruas que já foram,
Cuido das flores azuis, sobreviventes,
testemunhas de sonhos recentes
e da crença na inalterabilidade dos elementos.

São ares a quebrar vidros,
instantes de roncos intestinos,
ira de deuses proscritos
da perfeita ideia legada.
Falha nossa. Pela boca morrem os atos.

Talvez sejam avisos, mensagens cifradas
no livro da Terra inscritas,
mas ao senso do Homem cerradas.
Que não se perturbem os silêncios emprestados.
São eles que nos permitem o caminho.

OF (Odete Ferreira) – 31-08-16

15 comentários:

  1. Muito denso mas belo
    Um poema para desbravar devagar
    Cá estarei

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, pelo poema que entra na perfeição como as testemunhas de sonhos recentes.
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  3. Ops!! Que belíssimo poema, Odete! Gostei imenso, amiga!
    É para ler, reler como um bom vinho, degustado devagar.
    Um dos mais belos que li por aqui. Um ótimo domingo, Odete.
    Aplausos!
    bjs

    "Talvez sejam avisos, mensagens cifradas
    no livro da Terra inscritas,
    mas ao senso do Homem cerradas.
    Que não se perturbem os silêncios emprestados.
    São eles que nos permitem o caminho."

    ResponderEliminar
  4. Que maravilha , Odete . Adorei . Beijos e boa semana .

    ResponderEliminar
  5. Poema enigmático, profundo e transcorre metaforicamente tão
    belo sobre a existência, transcender as mortes (perdas...)
    e renascer dos nossos silêncios "emprestados" (genial isso, não
    somos donos de nada, o ego que pensa, erroneamente...), "são eles
    que nos permitem o caminho".
    A vida é uma passagem, viagem e é tão bom não ter bagagem (pesos...)
    e levemente seguir como voo do fênix e renascer sempre!...
    A imagem escolhida belíssima e harmônica com o título
    neste todo de obra de arte que sempre nos oferece, querida amiga!

    Beijinhos.


    ResponderEliminar
  6. Belíssimo poema, Odete! Parabéns! Eu gosto muito dessas rimas ocasionais sem muita rigidez de composição que muitas vezes engessa a forma e tolhe a poesia em aparecer. Muito bom. Meus cumprimentos! Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em tempo - venho agradecer seus cumprimentos pelo meu aniversário. Minha gratidão. Laerte.

      Eliminar
  7. Vejo no teu poema toda a tristeza dolorida pelas vastas
    regiões carbonizadas do nosso país e o sofrimento de quem
    ficou privado do seu ambiente e dos seus haveres...
    Uma urdidura singular de sentires expressos em versos e
    estrofes assaz eloquentes, onde não faltou uma ironia ao
    imenso burburinho da avaliação de responsabilidades.
    Sinto-me em sintonia com o teus sentimentos...
    O poema está magnífico pela forma elevada da abordagem e
    pela memória do imenso sofrimento do que é irrecuperável.
    Grande abraço, Odete amiga.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  8. Votos de continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  9. "Talvez sejam avisos, mensagens cifradas
    no livro da Terra inscritas,
    mas ao senso do Homem cerradas.
    Que não se perturbem os silêncios emprestados.
    São eles que nos permitem o caminho."
    Gostei deste final que me parece a síntese perfeita do poema todo. Muito bom, Odete.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Li e reli e penso haver leituras mais ou menos perceptíveis, mas será a poeta que guardará o significado profundo da obra. Contudo, logo pelo título, somos arrastados para o destino fatídico a que, parece,estamos condenados: os incêndios.
    Sente-se o voo de Fênix a pairar sobre as nossas cabeças e, consigo, a fatalidade da imolação.
    Grato pela presenca no meu lugar.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Li e reli. Com gesto lento...
    E gostei muito, muitíssimo. A tua poesia é genial.
    Bom fim de semana, amiga Odete.
    E boas férias, se for o caso.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Que belo poema minha amiga, um poema para ler e reler.
    Gostei bastante da ilustração escolhida para este poema.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
  13. Chegou domingo e persistem as sombras que escureceu este verão. Voltei a ler o teu poema inspirado, brilhante.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  14. Os nossos silêncios são tão culpados como os actos que eles permitem. Difícil o renascimento das cinzas e o recolocar das pedras, cimentando o que já foi e talvez não volte jamais. Talvez se preencha o vazio com outras histórias arrancadas de folhas queimadas revolteadas pelo vento.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar